Malasartes e o Duelo Com a Morte: O filme brasileiro com mais efeitos especiais da história

Imagine uma história que fala sobre mitologia grega e que tem como protagonista um personagem Íbero-Americano que se tornou tradicional na cultura brasileira e portuguesa. Parece algo muito distante? É essa mistura que podemos acompanhar no filme “Malasartes e o Duelo Com a Morte”, escrito e dirigido por Paulo Morelli.

Pedro Malasartes (Jesuíta Barbosa) é conhecido por sua esperteza e vive de pequenas trapaças, sempre conseguindo se safar das confusões. Ele é apaixonado por Áurea (Isis Valverde), mas o irmão da moça, Próspero (Milhem Cortaz), não aprova esse relacionamento e está sempre querendo dar uma boa lição em Malasartes.

Veja o trailer aqui

No entanto, esse não é o maior problema do protagonista. No seu aniversário de 21 anos, ele é informado que receberá a visita do padrinho, um homem muito importante, mas que nunca conheceu. O que ele não sabe é que é afilhado da Morte (Julio Andrade), que está cansado da sua “função” e quer passar essa responsabilidade para o jovem. Malasartes ainda terá que lidar com a bruxa Parca Cortadeira (Vera Holtz) e Esculápio (Leandro Hassum), assistente no mundo dos mortos. Será que a sua famosa esperteza vai conseguir tirá-lo dessa confusão?

O filme com maior número de efeitos especiais da história do cinema nacional

Orçado em R$ 9,5 milhões, com cerca de R$ 4,5 milhões dedicados aos efeitos visuais, “Malasartes e o Duelo Com a Morte” teve mais de 50% de suas cenas gerada por computação gráfica. Foram necessários 2 anos para que o longa fosse finalizado. É muito interessante observar a mistura de um personagem com características tão brasileiras (que já foi interpretado por Mazzaropi) com lendas da mitologia grega sobre a morte e o destino.

Esse contraste também é mostrado por meio dos dois mundos (dos vivos e dos mortos), e é nesse segundo que vemos o resultado do investimento em efeitos especiais. As cenas em que os personagens voam ou interagem com elementos gráficos ficaram muito bem editadas. O ponto negativo é quando Malasartes “brinca” com as almas — uma sequência muito longa, sem relevância na história e que parece ter sido criada apenas com o objetivo de mostrar os efeitos especiais.

A história em alguns momentos nos remete ao filme “O Auto da Compadecida”, devido à simplicidade do lugar (interior de São Paulo), as artimanhas de Malasartes para ganhar dinheiro (assim como João Grilo, de Matheus Nachtergale), o sotaque característico dos personagens e as reflexões sobre a morte. O elenco de peso é um destaque, com nomes que apresentaram ótimos trabalhos no cinema e na TV nos últimos anos. Quem acompanhou os personagens de Jesuíta Barbosa nas séries da Globo, como Justiça (2016) e Amores Roubados (2014) vai se surpreender, afinal, foram papeis bem diferentes do protagonista dessa história.

Sem dúvida, é um longa nacional que foge do lugar comum, apresentando uma mistura de elementos interessantes e raros de se ver nos filmes brasileiros. Paulo Morelli trouxe uma proposta inovadora, que mostrou que podemos nos aventurar pelos caminhos da magia sem ficarmos reféns de Hollywood.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *