It – Capítulo 2

De todos os livros do Stephen King, It – A Coisa sempre foi o meu favorito. Isso, junto com a ótima adaptação de 2017 fizeram com que eu tivesse grandes expectativas para o Capítulo 2 do filme, que estreou nesta quinta-feira (05/09/2019). Agora vamos falar um pouco desse filme e ver se ele conseguiu atingir as expectativas que eu estava dele. 

Error! You must specify a value for the Video ID, Width, Height parameters to use this shortcode!

 

It – Capítulo 2 conta a história de como os integrantes do Clube dos Otários, agora 27 anos mais velhos voltam para a cidade de Derry para derrotar Pennywise, a criatura-palhaço assassino que sempre assombrou a cidade desaparecendo com pessoas e tantas crianças durante a sua vida. O filme conta com um ótimo elenco, além das crianças já conhecidas do primeiro filme, e de Bill Skarsgärd como Pennywise, nesse filme temos Jessica Chastain como Beverly Marsh, James McAvoy como Bill Dembroung. Bill Hader como Richie Tolzier, Isaiah Mustafa (da série “ShadowHunters“) como Mike Hanlon, James Ransone (de “A Entidade”) como Eddie Kaspbrak, Jay Ryan (de “Terra Nova”) como Ben Hanscom e Andy Bean (“A Série Divergente”) como Stanley Uris. Todos muito bem em seus papéis, conseguindo trazer toda a intensidade e a essência apresentada pelas crianças no filme de 2017.

Vamos para os pontos positivos do filme. 

As cenas de terror do filme foram muito bem feitas, Bill Skarsgärd está ótimo e assustador como Pennywise, sempre quando aparece consegue passar a sensação de medo e toda a vontade que A Coisa tem de devorar qualquer um que esteja na sua frente. Os jump scare do filme funcionaram bem comigo, todos no momento certo e na medida certa, não sendo aquele tipo de filme que não tem boa história e se apoia somente nesse artifício para prender a atenção de quem está assistindo.

Algo que eu vi que incomodou muita gente nas críticas que eu li foram as piadas, principalmente por conta de Richie Tolzier (Bill Hader), mas para mim todas funcionaram muito bem e estava colocadas no momento exato em que elas deveriam estar. 

Outro ponto positivo do filme que acho legal ressaltar é tanto a aparição de Stephen King no filme, quanto a brincadeira sobre os finais dos livros dele. Um ótimo easter egg pra quem é fã do autor. 

Agora vamos para o Euller chato. Os pontos negativos do filme. 

Algo que eu considerava positivo no filme de 2017 foi a separação dos dois períodos da história, acreditava que isso faria com que a trama andasse mais fácil e não iria ficar muito confusa. O capítulo 2 acabou com as minhas esperanças disso. Muito flashbacks desnecessários, parecendo que só queriam explorar o sucesso que as crianças fizeram no primeiro filme. 

A história por trás dos flashbacks também não funcionou pra mim, parecendo que o único motivo daquilo tudo era incluir as cenas das crianças. 

O filme tem 2 horas e 49 minutos e ainda assim conseguiu deixar coisas mal explicadas, como por exemplo, o segredo de Richie. Que seria um grande ponto positivo se tivesse sido bem explorado. Fora o papel de Henry Bowers (Teach Grant), que só está jogado lá e acaba não tendo tanta importância no filme como deveria.

Isso significa que o filme é ruim e que você não deveria assistir? Não. Ao contrário, assista ao filme. Mesmo com os pontos negativos, considero um bom filme de terror, com uma boa história e é claro, com Stephen King. Isso já é motivo o suficiente pra indicar esse filme. 

Além de indicar o filme indico também o episódio do meu podcast, o Necronomiconversa, que fez um crossover com o Cinema em Série sobre o primeiro filme, você pode escutar ele aqui. E logo mais lá no feed do CeS terá um bate papo sobre o segundo filme. Então fica o convite pra ir lá ouvir depois. 

É isso, o filme não atendeu todas as minhas expectativas, mas assista ao filme e se puder (e quiser, claro) me fale o que achou dele.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *