Resenha: Enola Holmes

Resenha: Enola Holmes

Um filme sobre amadurecimento e sobre trilhar nossos próprios caminhos


Presente no imaginário popular desde que ganhou vida pelas letras de Arthur Conan Doyle, Sherlock Holmes é, talvez, um dos maiores detetives que a cultura pop já viu. Baseado no livro de Nancy Springer a Netflix produziu o filme de Enola Holmes, irmã do célebre detetive inglês. 

O caso investigado aqui por Enola (interpretada pela já consagrada atriz de Stranger Things, Millie Bobby Brown) é sobre o desaparecimento do jovem marquês (interpretado por Louis Partridge) que fugiu de seus familiares que estão tentando o enviar para o exército. Não foi por acaso que a jovem Enola começou a investigar o desaparecimento: ela estava em busca de sua mãe que também havia desaparecido. 

Sobre amadurecer

O longa pode ser visto como o processo de amadurecimento e crescimento de Enola, de como ela pode e decide escolher trilhar o seu próprio caminho. Isso fica claro quando ela decide que vai procurar e ajudar o marquês desaparecido e que estava correndo perigo no lugar de continuar a procurar pela sua mãe. Em alguns momentos durante a trama isso pode ser apresentado como fruto do romance que foi estabelecido entre os dois jovens, mas é algo que não configura um problema, dado que o propósito final é a emancipação da jovem e de tudo aquilo que a prendia. 

Cavill-Sherlock

É impossível não comentar a participação de Sherlock Holmes (interpretado por Henry Cavill, o “Superman”). Como não poderia deixar de ser, é algo bem pequeno, visto que o filme não é sobre ele. No núcleo familiar da história observamos que cada uma das pessoas que compõem a família trilham o seu próprio caminho e seguem as vidas de acordo com suas convicções pessoais. Sherlock é o detetive, o outro irmão trabalha para o estado e tenta a todo custo manter o status quo a qual está tão acostumado. 

Um filme divertido e curto

“Enola Holmes” tem cerca de duas horas de duração, mas nem senti o tempo passar. É divertido e importante dentro do contexto atual que vivemos. Quando acaba o filme o que fica é a esperança de que um dia vamos conhecer mais aventuras da jovem detetive que conseguiu solucionar um caso mais rápido do que um dos maiores detetives da história.

Euller Felix

Euller Felix

Cientista Social. Criador, editor e host do podcast Necronomiconversa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *