“O Profissional”: 25 anos de um filme que jamais poderá ser refeito

Filme que introduziu Nathalie Portman à Hollywood traz história de ação e controvérsias que não permitem um remake


Histórias são complicadas de contar, por vezes. Mas existem histórias por trás das histórias que complicam muito mais a interpretação dos fatos. E Luc Besson, que hoje é reconhecido por filmes como “O Quinto Elemento”, “Busca Implacável” e “Lucy” , nos trouxe em Setembro de 1994 um filme que é internamente aclamado e externamente complicado de interpretar, mas que fez a carreira daqueles que se envolveram com a trama.

Em “O Profissional”, temos León, um assassino profissional, que a vida cruza com a de Mathilda, uma menina de 12 anos que tem sua família assassinada por policiais corruptos. Sem ter para onde ir, Mathilda começa a conviver com ele, sob o seguinte acordo: Ela o ajuda ensinando a ler, enquanto ele a ensina a matar, para um dia se vingar daqueles que mataram seus parentes.

Veja o trailer aqui  

Filme de ação singular

“O Profissional”, tem uma carga dramática junto com a ação catártica do gênero. A relação entre uma menina e seu mentor faz o filme ter um ar diferente, onde temos duas pessoas sem mais ninguém pra confiar no mundo, que só conheceram a violência, mas se apegam em bons sentimentos depois de conviverem; do outro lado. o impulsivo “vilão” Stansfield de Gary Oldman (hoje em dia vencedor de Oscar) é um personagem completamente insano e “cachorro-louco”, que assusta e diverte.

Divisor de águas

A idéia por trás de “O Profissional” (Ou ‘León’, no original) já estava na cabeça do diretor Luc Besson desde seu filme anterior: “Nikita”, que havia estreado em 1990. De Nikita em diante, Besson esboçou a história de seu próximo longa, e trouxe como base um personagem que havia criado em 1990 para o ator Jean Renó (“O Código DaVinci“). Renó havia interpretado um assassino em “Nikita”, que apareceu em uma cena que depois tornaria-se popular  .

A outra coluna de sustentação do filme viria depois: Gary Oldman, na pele de um delegado que liderava uma delegacia toda corrupta. Drogado, maníaco, completamente perturbado e insano, o policial exagerado tornou-se um marco na carreira do ator inglês. Muito se passou de lá pra cá com Oldman, que esteve em filmes como “Batman: O Cavaleiro das Trevas” e “Harry Potter”, e mesmo assim, seu papel alucinado e seus gritos no filme (“EVERYONE!!!”) sempre apontam para “O Profissional” como um dos trabalhos mais lembrados da carreira dele.

O filme foi importante também para outro ator que dá suporte à “León”: Danny Aiello. O ator vinha de uma enorme seqüência de filmes desde 1989, quando esteve em “Faça a Coisa Certa”, de Spike Lee. Desde então, não parou de atuar, com pelo menos três lançamentos por ano. Mas foi aqui que Aiello voltou a estar em uma obra comentada pelo grande público, como o homem que encomendava serviços para o profissional.

A revelação Natalie Portman

Natalie Portman, em 1994 e hoje em dia.

A trindade que sustenta o filme ficou completa com uma menina. Natalie Portman, então com 11 anos, impressionou Luc Besson com seu talento dramático, que se traduziu no medo da morte que Mathilda exprime em várias das cenas. Ela venceu a concorrência de mais de 2 mil pretendentes que fizeram teste para o papel (vídeo abaixo). E provou depois que não era por acaso, tornando-se um dos nomes importantes da geração de atrizes de hoje, passando passou por “Star Wars” , “Closer – Perto demais” (2004), “Cisne Negro” (2010) – que lhe renderia um Oscar – até atualmente estar no universo da Marvel, nos filmes do Thor.

Controvérsias sexuais

Embora seja uma história de ação dos anos 90, o argumento do filme sempre foi controverso, desde sua concepção. A atriz francesa Maïwenn, afirma que “O Profissional” tem inspiração na própria relação dela com o diretor Luc Besson, que aconteceu entre 1992 e 1997, uando tiveram uma filha, Maïwenn.

O roteiro inicial previa que Mathilda e León realmente fossem amantes, mas esta idéia foi removida do roteiro.

Outros aspectos foram alterados a pedido dos pais de Nathalie Portman, preocupados com os apelos do filme. Afinal, Mathilda era uma garota que morava com um homem adulto, fumava e, como pré-adolescente, descobria a convivência e o amor.

Depois de suprimido, a história que foi levada aos cinemas recai em uma Mathilda que vê o assassino como algo que balança entre entre pai adotivo e primeiro amor. Esta difícil contradição é o que mais divide opiniões sobre “O Profissional”, mas que no filme é mostrada como algo que vem de Mathilda e jamais de León, um homem triste com o seu passado que sonha um dia em parar com seus crimes.

A relação entre os protagonistas era uma preocupação real até do ator Jean Renó. Ele chegou a comentar que atuou de forma “emocionalmente represada” de propósito, para garantir que a audiência tivesse certeza que não havia um desejo sexual entre os dois. Em uma das cenas, Mathilda diz que o ama, pois sente um vazio no estômago; Ao que León rapidamente corta: “Isto é fome”.

“León é alguém que perdeu seus parentes, um imigrante, na verdade… Se você não é esperto, significa que não tem muito vocabulário, então precisa colocar um monte de emoções. Você defende a si mesmo no caminho, instintivamente. (…) Se você é mais ‘lento’, [Mathilda] vai controlar a situação”

Jean Renó, nos comentários do DVD

Parte 2? Err…

Se em 1994 já tornou-se um um problema a relação entre uma menina e um homem de 30 e muitos anos, é quase improvável que alguém pudesse tocar em “O Profissional” sem levantar um incêndio de interpretações nos anos de 2019. Nos tempos de hoje, com toda uma preocupação ideológica envolvida, é distante a possibilidade de revisitar a história de Mathilda após os eventos do filme de 1994. Pra não dizer desnecessário.

O próprio Besson jamais se interessou muito na idéia. “Natalie é mãe agora, passamos do tempo. Se tivesse uma idéia para uma seqüência amanhã, claro que faria, mas nada veio até agora, nada forte o suficiente”.

Por sorte, o filme fechado e com desfecho que agrada não deixa muitas razões para para voltar na história. Somente para rever.

Arte no Pinterest para uma (im)provável sequencia

Filmaço, pra além de tudo

Longe das polêmicas , “O Profissional” fascina (ao menos este que vos escreve 🙂 ). É um filme de ação com relacionamentos tão absurdos quanto possíveis numa cidade, onde os personagens podem chocar mas a realidade é crua. É o filme que marcou a carreira de atores marcantes, e deu mais notoriedade a um diretor que já trabalhava, mas que o melhor ainda estaria por vir, e atravessou sua época com uma discussão, mas nunca sem ser tão natural quanto o período em que foi feito.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *