Tem coisas em filmes clássicos que PARECE que sabemos de cor, mas nossa memória nos trai.

Temos uns exemplos legais aqui em baixo.

1- 007 é um cargo, não uma pessoa.

Vamos começar com uma clássica: Cada James Bond é um novo agente secreto que assume o cargo de 007. O nome é apenas uma fachada, um apelido, e não o mesmo agente secreto em todos os filmes.

Isso inclusive possui uma brincadeira em um dos filmes: Em “À Serviço Secreto de Sua Majestade” (1969), James (George Lazemby) luta com um grupo de vilões e ao invés de fugir com a moça bonita (que era o normal dos outros filmes), ela o deixa para trás.

O que ele diz: “Isto nunca aconteceu com o outro cara” (This never happened to the other fella). O “outro cara” era Sean Connery, 007 até então.

2- Não eram ET’s no final de “AI – Inteligência Artificial”

É Steven Spielberg? É. Ele ama ter aliens em seus filmes? Sim. Mas não foi o caso em “A.I. – Inteligência Artificial” (2001). Os seres que resgatam o menino-robô David (Harley Joel Osment) eram somente robôs mais evoluídos muitos anos depois. Eles apenas escavaram atrás de seres do passado (já que este final é um salto de 2 mil anos depois do filme todo) e encontraram David.

3- Darth Vader não disse “LUKE, EU SOU SEU PAI…”

… ele diz “NÃO, EU SOU SEU PAI”. Mas foi repetido tantas vezes que virou uma memória falsa popular.

4- Rocky I não terminou empatado

Essa é uma das mais bizarras. A verdade é que Apollo Creed (Carl Weathers) ganhou nos pontos. Reparem que em lá por 09 minutos de vídeo, se vê Apollo comemorando, inclusive.

A dublagem brasileira da época deu a luta como empatada, e criou essa falsa idéia do empate.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *