CineTOP Top’s: 10 Robôs do Cinema


 

Em anos de cinema, a inteligência artificial e os robôs humanóides foram apresentados das mais diversas formas. Ora amigos, ora nem tanto, os robôs inspiraram as mas variadas sagas nos livros e cinemas de todo o mundo, mas somente alguns tornaram-se icônicos. Estes atravessam a história e inspiraram outras mil, nem sempre na mesma ótica ou tema.

Neste “TOP 10”, mostramos alguns dos robôs mais icônicos do cinema. Acompanhe conosco

 

1. Maria
Brigitte Helm em “Metropolis” (1927)

A criação rústica para os tempos de hoje, mas totalmente complicada no início do século XX, era uma crítica à época sobre a mecanização das coisas;  A andróide criada à imagem da protagonista Maria foi criada para ludibriar os trabalhadores da cidade fictícia, evitando que os mesmos pudessem se unir em favor de direitos.

A produção foi complicada à época: A Maschinenmensch (algo como “máquina humana”) do austríaco Fritz Lang foi a mais cara produção cinematográfica à época – e a primeira bem-apresentada. Algumas cenas chegaram a levar dias para serem filmadas, mas a importância desta criação estende-se pela história, e impressionou até mesmo Adolf Hitler, que ao chegar ao poder, pediu que Lang dirigisse filmes em favor do partido nazista; Discordante, o cineasta fugiu para Paris e depois para os Estados Unidos, onde foi um dos primeiros diretores a dirigir Marilyn Monroe e influenciando outros grandes nomes como Alfred Hitchcock e Orson Welles.

 

 maria_metropolis

 

 

2. ED-209
“RoboCop” (1987)

Poderíamos colocar Robocop nesta lista? Bem, sim e não. O policial Alex Murphy era sim um ser humano e tornou-se meio-humano pelo atentado que sofreu. Já ED-202, o robô monstrengo, foi criado desengonçado e assustador, e ele é no filme a razão pelo qual investem no projeto de RoboCop. No remake do brasileiro José Padilha, um modelo semelhante de ED é inicialmente mostrado em algum lugar do Oriente Médio, saudando perturbadoramente os locais com um “A Paz Esteja convosco” – algo que não se espera de uma máquina de matar com pernas. Já no filme original, um pouco mais irônico, o monstrengo de lata não descia escadas…

 

 

3. Andrew
Robbin Williams em “O Homem Bicentenário” (1999)

O robô, que por defeito, possuía sentimentos e, de tão envolvido em seu ambiente, decide ser humano. Amparado pelo carisma de Robbin WilliamsAndrew é baseado em um conto de Isaac Asimov. No filme, o personagem atravessa gerações da família, descobre os sentimentos e vai à justiça lutar pelo reconhecimento de sua humanidade.

 

 

 

4. Ash, Bishop e Call
Ian Holm, Lance Henriksen e Winonna Rider – Quadrilogia “Alien”

Uma das grandes sacadas de “Alien” é, além de levar o espectador à tensão sobre o alienígena sanguinário, surpreender: “Como assim, ele é um robô?”. Isso aconteceu em três dos quatro filmes, onde os andróides eram criados para conviver com os humanos das naves de formas tão convincentes que surpreendiam quando revelavam-se eletrônicos.

Uma curiosidade entre eles é a inicial em dos nomes: Ash, Bishop, Call  … e temos David (Michael Fassbender em “Prometheus”).

 

 

5. HAL-9000
“2001 – Uma Odisséia no Espaço” (1968)

Se um dia viajar para o espaço na companhia de um robô que, na verdade, é o próprio computador da nave, peça pra descer. HAL era a inteligência artificial da nave Discovery One de “2001 – Uma Odisséia no Espaço”, um computador capaz de exterminar todos os humanos ali presentes para que não fosse impedido de concluir sua missão. Sem corpo, apenas emanando uma luz vermelha e falando a tranquilidade de um psicopata, HAL é assustador.

O robô deveria chamar-se IBM, mas diante da proibição da empresa, o diretor Stanley Kubrick rebatizou o seu bandido-da-luz-vermelha (desculpem-nos pelo trocadilho, gente) como Heuristically programmed ALgorithmic computer (Computador Algorítimico Heuristicamente Programado), na verdade era desculpa para usar a letra anterior de cada uma contida em “IBM”.

 

 

6. C3PO e R2-D2
Anthony Daniels em “Star Wars”

Um dos mais queridos personagens da saga. O robô-diplomata-medroso-reclameiro C3PO e o astro-mecânico R2-D2 são os únicos a participarem dos seis filmes (e agora, no episódio VII), e apesar de atrapalhados, eles sempre estão à volta dos acontecimentos nos seis filmes.

Criado inspirado na Maria de “Metrópolis”, C3PO passou de personagem do filme a um ícone. Serviu pai, mãe e filho na história e está até hoje como um dos mais adorados personagens de Star Wars. Sua “contraparte” R2D2 e seus bipes incompreensíveis serviram também para inspiração para a fala abafada de Kenny, de South Park.

Em 1978, C3PO e R2-D2 apresentaram um dos prêmios do Oscar.

 

 

7. Robby
Frankie Darro e Marvin Miller em “Planeta Proibido” (1956)

Quase vinte anos antes de Star Wars, Hollywood produziu um robô, com características tão marcantes que o tornariam ícone e modelo para os que viriam a seguir. Ruby, o robô de “Planeta Proibido”, foi em 1956 um marco histórico e serviu como inspiração anos depois para Star Trek. À época, foi tão complexo que foram utilizados dois atores para dar “vida” ao personagem: Frankie Darro fez os movimentos e Marvin Miller dava voz.

O filme ainda continua outras características que seriam, digamos, curiosas: A raça alienígena Krell utilizava uma espécie de aço chamada adamantino. (Adamantino, adamantine, adamantium… OH, WAIT!)

 

 

8. David
Haley Joel Osment em  “A.I. – Inteligência Artificial” (2001)

Quase um Pinocchio digital, David de “A.I. – Inteligência Artificial” é um menino-robô criado para interagir como filho de uma família. No desespero de tentar ser amado, o robô entra em uma paranóia de tentar ser um menino de verdade, e de se relacionar com outros andróides enquanto busca seu desejo platônico.

Apresentado em 2001, “A.I.” começou a ser pensado muito antes, e contou com algumas idéias do lendário Stanley Kubick de “2001 – Uma Odisséia no Espaço”.  Kubrick veio a falecer antes da obra ser concluída, mas passou o bastão à Steven Spielberg.

 

 

9. Roy Batty
Rutger Hauer em “Blade Runner” (1982)

Roy foi o líder dos replicantes (como eram chamados os robôs criados à semelhança dos homens). Mais ágil que os demais desta lista, Batty era um vilão em modo de combate, com habilidades militares. No livro que inspirou o filme, o personagem liderou uma horda de robôs em uma chacina, matando os proprietários e fugindo de Marte, mas acaba redimindo-se, com um dos monólogos adorados pelos nerds, vendo que tudo que ele já viu na vida se esvairia, “como lágrimas na chuva”.

 

 

10. Wall-E
Wall-E  (2007)

Potencialmente, o menos humanóide dessa lista e ao mesmo tempo um dos mais humanos entre eles. O último robô na Terra, convivendo com todo o lixo deixado pelos humanos que se mudaram para uma estação espacial, Wall-E encanta pelo sentimento que se cria com o robô, pela relação que ele cria com as coisas deixadas aqui, pelo encantamento coma hostil EVA, e por sua barata de estimação chamada HAL (você já viu esse nome aqui nesta lista).

 

wall-e

 

Menções honrosas:

  • T-800 (“O Exterminador do Futuro” – 1984)
  • Data (“Jornada nas Estrelas: Primeiro Contato” – 1996)
  • Gort (“O Dia em que a Terra Parou” – 1951)
  • Marvin (“O Guia do Mochileiro das Galáxias” – 2005)
  • As Máquinas (“Matrix”- 1999)

 

(Levemente inspirado em um artigo que o Felipe, parceiro da casa, nos enviou – Obrigado, meu querido!)

Deixe uma resposta