Como Nossos Pais – Um retrato da busca das mulheres pela igualdade nas relações


“Como Nossos Pais” é uma música que ficou eternizada na voz de Elis Regina, e que caiu como uma luva para nomear o novo longa dirigido e escrito por Laís Bodanzky (Bicho de Sete Cabeças) em parceria com Luiz Bolognesi. A sociedade vem passando por algumas mudanças nos últimos tempos, principalmente no que diz respeito às relações entre homens e mulheres, e o longa traz diversas reflexões sobre esse novo momento.

O drama conta a história de Rosa (Maria Ribeiro), uma mulher na faixa dos 40 anos, que tem duas filhas pré-adolescentes e é casada com Cadu (Paulinho Vilhena). Ela é o que podemos considerar a “supermulher”: trabalha, cuida das filhas e toma conta da casa sozinha, já que o marido está sempre viajando por causa do trabalho.

Veja o trailer aqui

A primeira cena do filme se passa em um almoço na casa da mãe de Rosa, Clarice (Clarice Abujamra). Logo nos primeiros diálogos percebemos como a protagonista está esgotada e infeliz com a vida que leva. É nessa mesma tarde que a mãe de Rosa lhe dá uma notícia bombástica: ela não é filha biológica do homem que a criou, Homero (Jorge Mautner), e sim fruto de um caso rápido que Clarice teve durante uma viagem a Cuba.
A partir desse momento, Rosa começa a refletir sobre toda a sua existência, seu casamento, a relação conturbada com a mãe e parte em busca de novas experiências.

Um filme especial para as mulheres

Durante a coletiva de imprensa do lançamento do filme, em São Paulo, Laís Bodanzky afirmou que o público-alvo do filme são as mulheres. A personagem Rosa representa a história de muitas mães e esposas, que estão sobrecarregadas em suas rotinas e que só agora começaram a perceber que existe um grande problema nessa situação.

O filme chega em um momento em que as questões feministas estão sendo muito discutidas no Brasil e no mundo. Apesar de sua mensagem ser direcionada principalmente às mulheres, a história aborda assuntos que também podem interessar aos homens, como a divisão dos papéis em casa e como entender melhor esse novo comportamento feminino.

O longa também fala rapidamente sobre a questão do amor livre e relacionamento aberto, mostrando como os novos modelos de relação existem e como os casais encaram essa questão. O elenco faz um ótimo trabalho, como destaque para Maria Ribeiro, que já recebeu elogios de publicações internacionais, como o The Hollywood Reporter.

Filme inscrito para concorrer ao Oscar

A história de Rosa já foi exibida no Festival de Berlim e ganhou o Festival de Cinema Brasileiro, realizado em Paris. O longa vem recebendo uma calorosa recepção internacional, e será exibido em mais de 11 países. Laís Bodanzky confirmou que o filme já foi inscrito para estar entre as produções brasileiras que concorrem a uma vaga no Oscar. Diante de tantas críticas positivas, será que podemos ficar otimistas? Vamos aguardar!

“Como Nossos Pais” aborda o nosso cotidiano de forma muito real, mostrando como as relações familiares estão mudando de geração para geração. É um filme para refletir sobre o papel da mulher na sociedade e a influência da família em nossas vidas.

Comente!