And the Oscar goes to…. Conheça um pouco dos candidatos a melhor filme


Nesse domingo (28), vai ao ar a 88.ª cerimônia de entrega dos Academy Awards. Se você está preocupado porque não teve tempo de assistir a todos os filmes, fique tranquilo… nós vamos comentar um pouco sobre todos os indicados na categoria melhor filme. Façam suas apostas!

BROOKLYN – A jovem irlandesa Ellis Lacey (Saoirse Ronan) se muda de sua terra natal e vai morar no Brooklyn para tentar realizar seus sonhos. No inicio de sua jornada nos Estados Unidos, ela sente falta de sua casa, mas tentase ajustar aos poucos até que conhece e se apaixona por Tony (Emory Cohen), um bombeiro italiano. Logo, ela se encontra dividida entre dois países, entre o amor e o dever. Uma linda história de uma jovem tentando encontrar seu caminho, muito bem contada pelo diretor John Crowley. Talvez o filme mais “água com açúcar” dos indicados, mas vale a pena embarcar nessa jornada.

.

.

A GRANDE APOSTA – Michael Burry (Christian Bale) é o dono de uma empresa de médio porte, que decide investir muito dinheiro do fundo que coordena ao apostar que o sistema imobiliário nos Estados Unidos irá quebrar em breve. Tal decisão gera complicações junto aos investidores, já que nunca antes alguém havia apostado contra o sistema e levado vantagem. Ao saber destes investimentos, o corretor Jared Vennett (Ryan Gosling) percebe a oportunidade e passa a oferecê-la a seus clientes. Um deles é Mark Baum (Steve Carell), o dono de uma corretora que enfrenta problemas pessoais desde que seu irmão se suicidou. Paralelamente, dois iniciantes na Bolsa de Valores percebem que podem ganhar muito dinheiro ao apostar na crise imobiliária e, para tanto, pedem ajuda a um guru de Wall Street, Ben Rickert (Brad Pitt), que vive recluso. Uma brilhante história sobre a crise do sistema financeiro dos EUA em 2008. Apesar de haver muitos termos técnicos durante a história, eles são explicados de uma forma muito divertida, como por exemplo, Margot Robbie tomando champagne em uma banheira explicando para nós, leigos, alguns aspectos da economia americana. Christian Bale e Steve Carell estão perfeitos nos seus papéis, e apesar de se tratar de uma história complexa sobre a economia, a trama nos prende do começo ao fim.

.

.

MAD MAX: A ESTRADA DA FÚRIA – Após ser capturado por Immortan Joe, um guerreiro das estradas chamado Max (Tom Hardy) se vê no meio de uma guerra mortal, iniciada pela Imperatriz Furiosa (Charlize Theron) na tentativa se salvar um grupo de garotas. Também tentando fugir, Max aceita ajudar Furiosa em sua luta contra Joe e se vê dividido mais uma vez entre seguir sozinho seu caminho ou ficar com o grupo. George Miller volta com seus efeitos práticos nesse quarto filme da franquia, quase que totalmente gravado no deserto da Namíbia. O longa é um espetáculo visual: Pouco foi usado de efeitos de computação gráfica, com cerca de 80% da produção com efeitos reais. Charlize Theron rouba a cena com sua Imperatriz Furiosa, ofuscando até mesmo o personagem principal, vivido por Tom Hardy. Se o Oscar fosse justo, esse seria disparado o favorito ao prêmio, mas sabemos que não é bem assim que funciona….

.

.

PERDIDO EM MARTE – O astronauta Mark Watney (Matt Damon) é enviado a uma missão em Marte. Após uma severa tempestade ele é dado como morto, abandonado pelos colegas e acorda sozinho no misterioso planeta com suprimentos escassos, sem saber como reencontrar os companheiros ou retornar à Terra. Sem dúvidas, o diretor Ridley Scott nos apresenta mais um clássico da Ficção Científica. Matt Damon está ótimo interpretando o astronauta/botânico de uma forma divertida, e as saídas que ele encontra para a falta de alimento são verdadeiras aulas de ciência. Um ótimo filme, mas talvez um dos que tenham menos chance de ganhar o prêmio.

.

.

PONTE DOS ESPIÕES – Em plena Guerra Fria, o advogado especializado em seguros James Donovan (Tom Hanks) aceita uma tarefa muito diferente do seu trabalho habitual: defender Rudolf Abel (Mark Rylance), um espião soviético capturado pelos americanos. Mesmo sem ter experiência nesta área legal, Donovan torna-se uma peça central das negociações entre os Estados Unidos e a União Soviética ao ser enviado a Berlim para negociar a troca de Abel por um prisioneiro americano, capturado pelos inimigos. Uma história que pode soar chata para alguns, mas é um belo suspense dirigido pelo mestre Steven Spielberg. Tom Hanks está muito bem, um pouco contido, mas o personagem não exige muito do ator. Apesar de ser um bom filme, não deve ter muitas chances de vencer.

.

.

O REGRESSO – Hugh Glass (Leonardo DiCaprio) parte para o oeste americano disposto a ganhar dinheiro caçando. Atacado por um urso, fica seriamente ferido e é abandonado à própria sorte pelo parceiro John Fitzgerald (Tom Hardy), que ainda mata seu filho. Entretanto, mesmo com toda adversidade, Glass consegue sobreviver e inicia uma árdua jornada em busca de vingança. Baseado em uma história real que aconteceu em 1822, essa deve ser a grande chance de Leonardo DiCaprio finalmente ganhar o Oscar de melhor ator. Ele arrasa no papel, mesmo soando um pouco exagerado. O longa tenta ser grandioso, mas o diretor Alejandro Gonzalez Iñarritu o deixa um pouco cansativo. Feito para concorrer ao Oscar, o filme é um dos favoritos ao prêmio principal.

.

.

O QUARTO DE JACK – Joy (Brie Larson) e seu filho Jack (Jacob Tremblay) vivem isolados em um quarto. O único contato que ambos têm com o mundo exterior é a visita periódica do Velho Nick (Sean Bridgers), que os mantém em cativeiro. Joy faz o possível para tornar suportável a vida no local, mas não vê a hora de deixá-lo. Para tanto, elabora um plano em que, com a ajuda do filho, poderá enganar Nick e retornar à realidade. O filme tem uma história forte, impossível de não se emociona, e a jornada de Joy com seu filho Jack é muito impressionante. Brie Larson merece a indicação a melhor atriz, mas Jacob Tremblay já pode ser considerado uma revelação. Não assista sem um lencinho por perto.

.

.

SPOTLIGHT: SEGREDOS REVELADOS – Baseado em uma história real, o drama mostra um grupo de jornalistas em Boston que reúne milhares de documentos capazes de provar diversos casos de abuso de crianças, causados por padres católicos. Durante anos, líderes religiosos ocultaram o caso transferindo os padres de região, ao invés de puni-los pelo caso. É um daqueles filmes que precisam fazer parte das aulas de jornalismo. A dedicação dos jornalistas em conseguir provas para a publicação da matéria nos prende do começo ao fim. Mark Ruffalo se destaca em seu papel, merecendo a sua indicação a melhor ator coadjuvante.

.

.

E aí, já tem seu favorito? Nos conte nos comentários!

Deixe uma resposta